RENOVABIO: INÍCIO DA VENDA DE TÍTULOS PARA EXECUÇÃO DO PROGRAMA

Hoje, dia 11 de março, o Santander deu início à colocação no mercado de títulos que garantirão a execução do RenovaBio (programa federal que tem o objetivo de descarbonizar o transporte no país). O apresentado foi operado com a assinatura de contratos com 15 produtores de biocombustíveis para escriturar e custodiar os Créditos de Descarbonização (CBios). O intuito é garantir o cumprimento de metas de emissões de gases de efeito estufa.

Estima-se que, nesse primeira ano, o RenovaBio seja capaz de movimentar US$ 287 milhões, ou mais de R$ 1,3 bilhão, a representar receita adicional aos produtores de biocombustíveis. A estimativa apresentada tem como base a projeção do governo para o preço médio de cada CBio, de US$ 10 e a meta de descarbonização de transportes neste ano.

Ressalta-se que, em 2020, as empresas terão de adquirir 28,7 milhões de CBios, no total. Menciona-se que cada CBio corresponde a 1 tonelada de carbono de emissão evitada com a venda de biocombustíveis, em oposição a combustíveis fósseis. Para 2021, a meta é de 41 milhões. Ainda, a distribuidora que não cumprir sua meta estará sujeita à multa e até suspensão de suas atividades.

A compra do CBios será realizada através de mercado de balcão, sendo registrada pela B3. A escrituração deverá ser feita por instituições financeira a partir dos dados de venda de biocombustíveis. Os dados serão disponibilizados pelos produtores certificados, na Plataforma CBio, do governo.

As informações de volume vendido e nota de eficiência energética serão cruzadas, gerando a quantidade de CBios o produtor poderá vender. O movimento do Santander se insere na estratégia do banco de ampliar seu atendimento ao agronegócio.

As informações foram retiradas de matéria publicada pela Valor Econômico, assinada por Camila Souza Ramos.

Leave a Reply

WhatsApp chat